Informação ao Público

<Voltar


Recomendações nas Infecções urinárias

Manuel Mendes Silva, Médico Urologista


- Beba muitos líquidos, nomeadamente água, distribuídos por todo o dia (cerca de 1,5 a 2 litros diários, no inverno; mais no verão, conforme o calor, se fizer exercício físico, se transpirar, ou por outra eventual razão que proporcione diminuição da diurese). Pode ser água da torneira ou mineral, sem ser muito ácida ou alcalina. Pode ser água “chalada”ou infusões. Refrigerantes, sobretudo gaseificados, devem ser condicionados.

- Tenha uma alimentação saudável e variada, sem excessos. Evite excessos de condimentos, picantes, especiarias, aperitivos, salgados, avinagrados, “petiscos”, citrinos, bebidas alcoólicas, com excepção de um a dois copos de vinho tinto, acompanhando as refeições. Café e chá preto devem ser de consumo moderado. Outros chás, tisanas ou infusões são de consumo à vontade, alguns chás e sumos poderão ser eventualmente benéficos (chá de barbas de milho, sumo de arando). Alimentos, frutos, sumos, ou produtos/medicamentos muito ácidos ou alcalinos são de evitar.

- Evite a congestão pélvica. Não esteja muito tempo sentado(a), sobretudo em sofás e poltronas fundas. Levante-se periodicamente (hora a hora) e deambule um pouco. Nas viagens grandes de automóvel, autocarro, moto, etc., faça paragens periódicas e deambule, urinando com mais frequência e evacuando se o não fez antes. No avião, em grandes viagens, passeie quando para tal houver condições, e esvazie regularmente a bexiga e o intestino. À noite, a ver televisão, no computador, a ler ou a conversar, evite os sofás mais fundos, e levante-se a intervalos. Nos espectáculos, levante-se e deambule nos intervalos. Nas reuniões faça (ou peça que façam) intervalos para deambular. Se tem um trabalho sedentário, estando muito sentado(a) à secretária, e/ou se conduz ou se viaja muito, procure defender-se seguindo estes conselhos, e não tendo a bexiga e o intestino cheios.

- Não retenha a urina. Urine “antes de” nas situações em que dificilmente pode urinar (viagens, aulas, reuniões, espectáculos, refeições prolongadas, antes de deitar,…). Urine com a frequência necessária, não “prenda”. Urine até ao fim, despejando toda a bexiga, não interrompendo, e eventualmente, se for caso disso, facilitando o seu esvaziamento através da posição “de cócoras” ou com nova micção a seguir. Aguarde ou promova o esvaziamento da uretra. Contrariamente ao que muitos pensam, as infecções urinárias não se apanham nas casas de banho, embora uma grande falta de higiene possa ser factor predisponente.

- Faça uma vida sexual saudável, regular e sem excessos. Urine depois das relações sexuais. É importante, no sexo feminino, que tenha uma boa lubrificação genital e uma boa troficidade vaginal, se não, há que corrigir essas situações. Não tenha sexo vaginal a seguir a sexo anal. Certas posições exageradas de prática coital são desaconselháveis, por poderem facilitar a entrada de micróbios vaginais na uretra. As infecções urinárias não são doenças sexualmente transmissíveis, embora o coito possa ser factor predisponente. Limpe-se da frente para trás. Tenha uma higiene genital sem abusos e sem utilizar produtos que podem, em certos casos, por alterações da flora vaginal, ou por alergia, ser irritantes (quanto menos “químicos”, melhor). Não tenha roupa demasiado apertada e evite sintéticos.

- Evacue regularmente. Evite a obstipação. As fezes não devem ser duras, mas moldadas. Se tem tendência para obstipação, faça uma dieta apropriada com fruta e vegetais verdes, fibra e farelo, evite o sedentarismo, eduque o intestino “à mesma hora e às mesmas circunstâncias”, diariamente.

- Para além destas medidas e destes hábitos, poderão ser usadas, em alguns casos, vacinas e probióticos. Evidentemente que tem de tratar e/ou controlar as doenças dos aparelhos urinário, genital e digestivo, consultando o médico e, se for caso disso. resolver situações que actuem como factores predisponentes ou de manutenção das infecções urinárias, podendo ter que fazer tratamentos, eventualmente prolongados ou crónicos.

Publicado em Novembro 2014